segunda-feira, 19 de março de 2012

Parashá Vayikrá

“E chamou a Moshé...” (Vaykrá 1:1)

“Vaykrá el Moshé...”, “E chamou a Moshé...”, com estas palavras começa o terceiro livro da Torá, quando por tradição a letra alef de vayikrá aparece diminuída para indicar-nos com que intenção o Todopoderoso se dirigia a Moshé, “Vayikrá” (com apreço). Era com apreço que o Todopoderoso se dirigia a Moshé. Mas porque é que, justamente nesta parashá a Torá nos recorda esta condição? Devemos encontrar a resposta no próprio tema que relata a parashá: “os sacrifícios”. O que é que significam os sacrifícios que Caim e Abel, filhos do primeiro homem, sentiram a necessidade de sacrificar e entregar ao Todopoderoso?

Nas parashiot da construção do Tabernáculo, como dos seus instrumentos e vestimentas, assim como na dos sacrifícios, a Torá estende-se em detalhes e por vezes repete uma e outra vez, quando determinados preceitos como os referentes ao Shabat, Tefilin ou Mezuzá, aprendêmo-las de indicações indirectas. Se recordarmos que o Tabernáculo foi ordenado apenas para os quarenta anos passados no desertos e que uma vez conquistada a Terra de Israel deveria ser construído o Beit Hamikdash, então ressalta a pergunta do porquê!

Sobre a construção do Tabernáculo está escrito: “Façam-me uma Casa e Habitarei neles: o Tabernáculo, os sacrifícios aproximam-nos do Todopoderoso, pois da mesma maneira que um imân atrai outro, em certas condições, a condição de oferecer, de dar, atair em certas condições a Fonte da bondade.

Advertiram-nos os nossos Sábios, que nada de mal sairá da caridade até que foi denominada com o nome de Shalom: ” e será o facto da caridade Shalom”. Os preceitos são os meios que nos aproximam a Ele, uma mitzvá (preceito) atrai outra mitzvá, e esta à seguinte, até que se cumpre o dito de Rabi Chanania Ben Akashia:”O Todopoderoso quis dar mérito ao Povo de Israel, portanto, aumentou a Torá e os preceitos, como está escrito: Ele procura dar-lhes mérito, então aumentou a Torá e engrandeceu-a”. Os preceitos foram um presente Divino para nosso bem, enquanto que o Tabernáculo com o seu serviço é uma realidade da convivência Divina com o ser humano.

Desde a destruição do Templo e perante a impossibilidade de realizar os sacrifícios, ficou-nos neste mundo apenas a Beit Haknesset e as Tefilot. O Talmud no tratado de Berachot diz: “Ao Todopoderoso apenas ficou neste mundo o lugar onde se estuda a Halachá (Torá)”. A sinagoga e o Beit Hamidrash são os espaços onde se encontra a Divindade. Que sensação de importância e de respeito devemos a estes lugares, com que temor devemos entrar neles e com que sensação devemos sair! Por desgraça o costume destrói toda a condição e o quanto a pessoa deve recordar dia após dia o lugar onde se encontra.

Seja a vontade Divina que estes dias de Nissan que se avizinham, convertam todas as nossas preocupações em alegrias e todas as nossas suspeitas em boas notícias, como está escrito: “Em Nissan foram salvos, em Nissan serão salvos”.



Rab. Shlomó Wahnón

http://www.mesilot.org/pt/parasha/vayikra.htm

Sem comentários:

Publicar um comentário